Despesas do IRS

Para que possam tirar mais algumas duvidas publico aqui um texto de minha autoria e em anexo para Download um artigo do Jornal Expresso.

 

Caros Leitores

Já todos ouvimos falar da nova forma de “colocar” as despesas de 2015, na declaração de IRS que iremos fazer em 2016.

Este texto tem o objectivo de esclarecer, quem ainda está confuso de como proceder para que as despesas que efectuámos e que são válidas para IRS não se “desperdicem”.

Este é o primeiro ano em que não somos nós a colocar o valor das despesas (saúde, educação etc) elas vão aparecer automáticamente na declaração de IRS.

Como é que isso acontece? Ao pedirmos factura das despesas com  o nosso numero de contribuinte, através do chamado SAFT, o Serviço de Finanças fica com conhecimento de quais são elas e o seu valor.

Até aqui tudo bem e para a maior parte das pessoas tudo correrá normal, isto porque o sistema detecta se uma despesa é de saúde ou de educação através do CAE de quem emitiu a factura.

O problema está nas facturas que ficam pendentes. Isto é, as que o sistema não reconhece automáticamente e ficam á espera que sejamos nós a dizer a que se referem esses documentos. Por isso, pelo menos, precisamos saber se temos facturas pendentes.

O mesmo acontece para todas as pessoas que tem actividade aberta, ou seja, que são sujeitos passivos em nome individual, porque nesta situação o sistema não sabe se essa factura é para a actividade ou é uma despesa individual, e as facturas ficam todas pendentes.

Então o que temos de fazer?

Primeiro que tudo temos que ter a senha de acesso ao portal da A.T. e quem não tem, ainda tem tempo de pedir, ela virá em 5 dias úteis.

Como vamos precisar de senha de todos, mesmo dos filhos, é provável que esses não tenham ainda senha de acesso.

Depois até ao dia 15 de Fevereiro de 2016 temos de entrar no sistema do e-factura com os nosso dados pessoais NIF e senha verificar que facturas estão pendentes e classificá-las.

As que não forem classificadas perder-se-ão, isto é, não contarão para “abater ao imposto” que eventualmente exista.

No caso de um casal com filhos, temos de usar este procedimento individualmente, com os dados do marido, depois com os dados da mulher e depois com os dados dos filhos.

Quem achar tudo isto complicado, terá de pedir ajuda, normalmente a quem lhe faz o seu IRS, a diferença é que se for na altura de fazer a declaração já é tarde e as despesas perdem-se.

 

TEXTO DO EXPRESSO

 

 

Anúncios

Autor: Mário Rodrigues

Contabilista Certificado Formador

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s