Etiquetas

,

Caso o Subsidio de natal a pagar a um funcionário não seja igual á totalidade, isto é pago em Duodécimos por exemplo relativo apenas a 6 meses, o calculo da taxa é feito tambem proporcionalmente ao valor de RMN, conforme indica o nº 7 do oficio que se reproduz.

SOBRETAXA EXTRAORDINÁRIA SOBRE OS RENDIMENTOS SUJEITOS A IRS AUFERIDOS
NO ANO DE 2011 APROVADA PELA LEI N.º 49/2011, DE 7 DE SETEMBRO – ARTIGO 99.º-A DO

CIRS – RETENÇÃO NA FONTE

Com referência ao e-mail de 2011-10-21, sobre o assunto em epígrafe, informo que, pordespacho de 2011-11-07 do Senhor Director-Geral dos Impostos exarado na Informaçãon.º 3481/11 desta Direcção de Serviços, foi sancionado o seguinte entendimento:

1. A Lei n.º 49/2011, de 7 de Setembro, veio aprovar uma sobretaxa extraordináriasobre os rendimentos sujeitos a IRS auferidos no ano de 2011, tendo aditado ao Códigodo IRS os artigos 72.º-A e 99.º -A.

2. Não obstante a aplicação da sobretaxa extraordinária sobre os rendimentos auferidosno ano de 2011 apenas se efectuar no momento da liquidação do IRS, conformedecorre do artigo 72.º – A do Código do IRS (CIRS), o artigo 99.º-A do mesmo Códigovem determinar às entidades devedoras de rendimentos de trabalho dependente e depensões a obrigatoriedade de reter na fonte uma importância correspondente a 50% daparte do valor devido do subsídio de Natal ou da prestação adicional correspondente ao13.º mês que, depois de deduzidas as retenções previstas no artigo 99.º e ascontribuições obrigatórias para regimes de protecção social e para subsistemas legaisde saúde, exceda o valor da retribuição mínima mensal garantida que, para o ano de2011, foi fixada em € 485, conforme estabelecido no n.º 1 do artigo 1.º do Decreto-Lein.º 143/2010, de 31 de Dezembro.

3. De acordo com o n.º 3 do artigo 99-A do CIRS, a retenção na fonte é efectuada nomomento em que os rendimentos se tornam devidos nos termos da legislação aplicávelou, se anterior, no momento do seu pagamento ou colocação à disposição dosrespectivos titulares.

4. Desta forma, decorre deste preceito legal uma remissão para a legislação que regulaa atribuição do subsídio de Natal ou a prestação adicional correspondente ao 13.º mês,aí se incluindo o Código do Trabalho, no caso dos trabalhadores abrangidos pelo seuâmbito.

5. O Código do Trabalho estabelece, no seu artigo 263.º, que o trabalhador tem direito asubsídio de Natal de valor igual a um mês de retribuição (cf. n.º 1 do artigo 263.º),excepto nos anos de admissão do trabalhador e de cessação do contrato de trabalho e ainda suspensão de contrato de trabalho por facto àquele respeitante, caso em que ovalor daquele subsídio é proporcional ao tempo de serviço prestado no ano civil (cf. n.º2 do mesmo artigo).
6. Assim, prevendo o artigo 263.º do Código do Trabalho a possibilidade do valor dosubsidio de Natal ser inferior ao que resultaria da aplicação da norma regra prevista noseu n.º 1 e tendo presente que a forma de cálculo para apuramento da retenção nafonte, a que se refere o artigo 99.º-A do CIRS, está construída tendo por referência atotalidade daquele subsídio e não um valor proporcional do mesmo, com repercussãona própria retribuição mínima mensal garantida a atender uma vez que também quantoa esta se teve em conta a situação regra (isto é, consideração da RMMG na íntegra),será de considerar que a norma do Código do Trabalho que prevê a atribuição dosubsídio de Natal em valor proporcional ao tempo de serviço prestado não poderádeixar de ter implicações no apuramento do imposto a entregar antecipadamente,mediante o mecanismo da retenção na fonte, designadamente quanto ao valor daretribuição mínima garantida a considerar nas importâncias a reter nos termos do Artigo99.º-A do CIRS.

7. Nestes termos, no caso de processamento do subsídio de Natal por duodécimos,proporcionalmente ao número de meses de trabalho prestado no ano civil, no cálculo doimposto a reter a título de sobretaxa extraordinária, deverá considerar-se a retribuiçãomínima mensal garantida na parte proporcional ao valor do subsídio efectivamentedevido nos termos da legislação aplicável, ou seja, nesta situação não será deconsiderar a retribuição mínima mensal garantida na íntegra, aplicando-se a regra daproporcionalidade ao valor da retribuição mínima mensal garantida.

Com os melhores cumprimentos.

A Directora de Serviços